quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Parabens Amor

Este post é dedicado à minha mulher que hoje completa mais um Aniversário. Mtos Parabéns. Beijinho Grande.

domingo, 26 de setembro de 2010

Reflexos

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Dá-me a tua mão.....

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Raios procuram brilhar

domingo, 29 de agosto de 2010

A base para os primeiros passos

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Fumo dos incêndios apagam o brilho da noite

domingo, 15 de agosto de 2010

Siga o seu caminho

sábado, 14 de agosto de 2010

Folha de uma árvore

Em botânica, as folhas são órgãos das plantas especializados em captação de luz e trocas gasosas com a atmosfera para realizar a fotossíntese e respiração. Salvo raras excepções, associadas a plantas de climas áridos, as folhas tendem a maximizar a superfície em relação ao volume, de modo a aumentar tanto a área da planta exposta à luz, quanto a área da planta onde as trocas gasosas são possíveis por estar exposta à atmosfera.

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Corda

Corda é um feixe de fibras trançadas ou enroladas entre si, para permitir a tração de cargas, a fixação de objetos ou a segurança de pessoas durante a prática de esportes náuticos, escalada, rapel ou ainda em trabalhos em altura. As cordas podem ser compostas de um único material ou uma associação de materiais, como fibras naturais (algodão, juta, sisal, linho, seda) ou sintéticas (nylon, polietileno, polipropileno, poliéster ou fibras de carbono).

domingo, 11 de julho de 2010

Pôr-do-Sol


O pôr-do-sol ou pôr do Sol ou ocaso é o momento em que o Sol se oculta no horizonte na direção oeste que pode ser considerado como um processo inverso do nascer do sol que é quando o sol aparece no horizonte na direção leste. Este acontecimento verifica-se todos os dias em todas as regiões compreendidas entre o Círculo Polar Ártico e o Círculo Polar Antártico. Ao período do dia em que ocorre o pôr-do-sol dá-se o nome de "ocaso". Ele surge graças ao movimento de rotação da Terra, no qual o Sol aparenta se mover em torno do nosso planeta atravessando o céu de leste a oeste, o que ocorre graças nossa observação se dar em um ponto não inercial.

sábado, 26 de junho de 2010

Igreja de São Pedro de Rates

A Igreja de São Pedro de Rates também conhecida como Igreja Românica de Rates é uma igreja em São Pedro de Rates, no município português da Póvoa de Varzim.

O edifício de tradição asturiana foi totalmente substituído nos séculos seguintes. O templo presente surgiu como doação do Conde D. Henrique e Dona Teresa do mosteiro de Rates, que se encontrava arruinado, ao Priorado, ligado a Cluny, de La Charité sur Loire, Auxerre em França. Foi reconstruída e
m 1100 e está classificada como monumento nacional. Constitui um dos mais importantes monumentos românicos medievais no então emergente reino de Portugal, dada a relevância das formas arquitectónicas e escultóricas.

As origens do templo antecedem a nacionalidade, tendo sido identificados vestígios materiais que remontam à época romana. Os trabalhos arqueológicos em 1997 e 1998 na área envolvente permitiu documentar as várias fases do desenvolvimento conventual e particular desde o século VI até ao presente. Nas escavações, o conhecimento acerca do templo pré-românico alargou-se a outros elementos, nomeadamente um aparente ante-corpo ocidental, provável narthex do templo pré-românico, onde foi encontrada uma estela romana, posteriormente cristianizada pelos séculos VI-VII e, ainda depois, reaproveitada na fase pré-românica.


A Igreja de São Pedro de Rates situa-se junto à bacia do Ave e é um dos mais importantes mosteiros beneditinos clunicenses e está ligado à lenda de São Pedro de Rates, mítico primeiro bispo de Braga, primaz das Espanhas (reinos da Península Ibérica), hipótese que remonta essencialmente ao século XVI.


Coordenadas GPS:

Latitude - 41°25'24.01"N

Longitude - 8°40'22.39"W

sexta-feira, 28 de maio de 2010

Fogo de Artificio

Os fogos de artifício, também chamados de foguetes pirotécnicos, são explosivos dotados de um pavio para iniciar a combustão. A combustão inicial provoca a rápida ascensão do foguete, que a certa altura explode violentamente.

Estes fogos são usados em festas populares ou celebrações para criar um efeito ruidoso ao acontecimento, e como meio de aviso de que algum acontecimento está iniciando ou terminando.

Conforme o elemento químico adicionado junto à mistura explosiva, podem ser obtidas diferentes cores, como passamos a descrever:


sábado, 15 de maio de 2010

Nuvens

Nuvem é um conjunto visível de partículas diminutas de gelo ou água em seu estado líquido ou ainda de ambos ao mesmo tempo (mistas), que se encontram em suspensão na atmosfera, após terem se condensado ou liquefeito em virtude de fenômenos atmosféricos. A nuvem pode também conter partículas de água líquida ou de gelo em maiores dimensões e partículas procedentes, por exemplo, de vapores industriais, de fumaças ou de poeiras.

As nuvens apresentam diversas formas, que variam dependendo essencialmente da natureza, dimensões, número e distribuição espacial das partículas que a constituem e das correntes de ventos atmosféricos. A forma e cor da nuvem depende da intensidade e da cor da luz que a nuvem recebe, bem como das posições relativas ocupadas pelo observador e da fonte de luz (sol, lua, raios) em relação à nuvem.

domingo, 9 de maio de 2010

Aos Noivos

"Os votos de Felicidades e tudo de bom nas Vossas Vidas"

sábado, 1 de maio de 2010

A Pasta Académica e as Fitas

O uso da pasta académica só é permitido a partir do momento em que se deixa de ser caloiro e se passa a pastrano: a partir da Queima das fitas do ano da 1ª matrícula na Universidade. Contudo, o aspecto que a ela está mais associado são as Fitas. Estas são impostas ao estudante antes de este iniciar o último ano do seu curso. São oito fitas ao todo, da cor do curso de cada estudante, identificando-o como um Quintanista. Esta tradição remonta a meados do século XIX, quando as pastas eram compostas por duas partes independentes, e que eram mantidas unidas com recurso a estas fitas.

A "Queima das Fitas" tem as suas origens nas celebrações que se faziam aquando o final dos cursos, onde os Finalistas queimavam as suas fitas dentro de um penico. Tal como o "rasganço", aplicado ao traje académico, a "Queima das Fitas" é também um momento de despedida da vida de estudante. Terá sido iniciada em Coimbra, e é actualmente um dos maiores acontecimentos do calendário académico, em todas as cidades universitárias do país.

Este Post é dedicado ao primo Tiago Coimbra, os meus sinceros Parabéns pela conclusão do seu Curso de Engº Civil.

quinta-feira, 29 de abril de 2010

Ternura

O que é a ternura?

No dicionário de língua portuguesa ternura é qualidade do que é terno; meiguice; disposição para os sentimentos suaves; afecto brando e carinho.

O poema seguinte talvez se ajude a perceber melhor o significado de ternura.

Ternura
(Vinicius de Moraes)

Eu te peço perdão por te amar de repente
Embora o meu amor seja uma velha canção nos teus ouvidos
Das horas que passei à sombra dos teus gestos
Bebendo em tua boca o perfume dos sorrisos
Das noites que vivi acalentado
Pela graça indizível dos teus passos eternamente fugindo
Trago a doçura dos que aceitam melancolicamente.
E posso te dizer que o grande afeto que te deixo
Não traz o exaspero das lágrimas nem a fascinação das promessas
Nem as misteriosas palavras dos véus da alma…
É um sossego, uma unção, um transbordamento de carícias
E só te pede que te repouses quieta, muito quieta
E deixes que as mãos cálidas da noite encontrem sem fatalidade o olhar

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Gaivota

As gaivotas são aves marinhas da família Laridae e sub-ordem Lari. São próximas das gaivinas, e estão mais distantes das limícolas, airos e rabos-de-palha. A maior parte das gaivotas pertence ao grande género Larus. São, regra geral, aves médias a grandes, tipicamente cinzentas ou brancas, muitas vezes com marcas pretas na cabeça ou asas. Têm bicos fortes e compridos e patas com membranas.


A maioria das gaivotas, particularmente as espécies de Larus, nidificam no solo e são omnívoras, e comem comida viva ou roubam alimento conforme surja a oportunidade.
Com excepção das gaivotas-tridáctilas, as gaivotas são espécies tipicamente costeiras ou de interior, e raramente se aventuram em mar alto. As espécies de maiores dimensões levam até quatro anos a atingirem a plumagem completa de adulto, mas as espécies menores normalmente apenas dois anos.

domingo, 18 de abril de 2010

Vela

A vela é uma fonte de luz que consiste tipicamente num pavio inserido num combustível sólido, tipicamente cera. A função do pavio é ser queimado no intuito de produzir fogo, e este, por sua vez, iluminar o ambiente. Além da cera, existem outros combustíveis que podem ser utilizados, como o azeite e outros óleos vegetais.

A vela é uma fonte de luz utilizada desde tempos remotos, quer na sua forma simples ou acopladas em lanternas, utilizadas muito antes da descoberta da lâmpada e outros sistemas de iluminação eléctricos.

Durante a preparação da vela, previamente à ignição, o pavio é saturado com o combustível na forma sólida. O calor do fósforo ou outra fonte de fogo irá derreter e vaporizar uma pequena porção de combustível que, no estado gasoso irá combinar-se com o oxigénio da atmosfera para formar a chama. A chama irá então providenciar calor suficiente para manter a vela acesa, numa típica reacção em cadeia auto-sustentável: o calor da chama derrete a superfície do combustível sólido, liquefazendo-o e fazendo-o deslocar-se em direcção ao pavio e subi-lo, por capilaridade; o líquido passará, com o calor, para o estado gasoso, que irá ser consumido pela chama.

As velas aromáticas são feitas normalmente de parafina, também podem ser apresentadas na versão gel. O aroma vem do acréscimo de substancias aromáticas, tais como essências e extratos naturais. Outros componentes, como flores, frutos e sementes, além de criarem um visual diferenciado e atrativo para a vela, podem produzir os odores desejados.

sábado, 17 de abril de 2010

Olhares Diversos



terça-feira, 13 de abril de 2010

Borboleta Coruja

Borboleta Coruja
Nome científico: Caligo eurilochus brasiliensis

A borboleta coruja existe somente na América do Sul. Em geral, são muito grandes, estando entre as maiores da América do Sul. Esta espécie é a maior borboleta do Brasil, com até 17 cm de envergadura, ou seja, de ponta a ponta das asas. Seus hábitos são crepusculares: permanecem pousadas em troncos durante o dia e voam de manhã ou nas últimas horas do dia, antes do anoitecer.

As fases de ovo, lagarta e pupa duram cerca de 3 meses e meio. O tempo de vida da borboleta adulta pode chegar a mais de 3 meses.

Esta espécie consegue safar-se dos predadores graças a sua semelhança com uma folha Quando ameaçada abre as asas de repente, revelando enormes olhos e empina o corpo. Para seu predador a folha transformou-se em coruja que é um dos maiores inimigos de pequenos animais.

segunda-feira, 5 de abril de 2010

Lago di Carrezza

O Lago di Carezza é um pequeno lago alpino situado em Val d'Ega a 1.534 mts em Nova Levante, a cerca de 25 km da Bolzano, em Itália. Situado entre as florestas de pinheiros em uma das colinas da Latemar que são refletidas nas águas cristalinas.

Deixo entretanto o comentário da autora destas fotos:

"A respeito da foto, posso afirmar que o Lago di Carezza é um lugar de cores deslumbrantes, mágico e encantador. No momento em que conheci, não havia ninguém no local o que dá uma sensação maravilhosa de paz e deslumbramento pelas cores. Um momento bonito que tentei registrar, mas não consegui em sua plenitude, foi quando ao fundo, onde imaginei so haver céu encoberto pelas nuvens, aparece, como se fosse um coração se abrindo, um pedacinho da montanha....foi lindo, aliás cada pedacinho deste lugar é inesquecível. Fico imaginando esse lugar visto em um dia de sol, onde as cores ficam ainda mais vivas!"

E esta imagem é o "pedacinho" que se abriu no céu...


Existem uma lenda que explica todo este encantamento e cores. Conta a lenda que no lago habitava Ondina (sereia), ninfa belíssima que uma vez foi vista, enquanto cantava, por um feiticeiro que vivia na floresta. Ao vê-la, se apaixonou, e, por vezes, usando de sua magia, quis raptá-la. Porém todas as vezes que Ondina sentia a presença do feiticeiro, mergulhava na água e desaparecia. Irritado, buscou ajuda de uma bruxa que vivia em uma caverna nas proximidades. A bruxa sugeriu que ele fizesse um arco-íris, que iria do lago, ao pico da montanha de Latemar (que pode ser visto na foto acima), pois as cores iriam despertar a curiosidade de Ondina, e no momento em que ela saísse da água, ele se aproximaria desinteressadamente disfarçado de velhinho segurando um saco com pedras preciosas atraindo-a. O feiticeiro criou o mais belo arco-íris e realmente fez Ondina sair do lago, porém em seu disfarce, o feiticeiro esqueceu de colocar a barba branca e logo a ninfa percebeu o perigo e novamente desapareceu no lago. Furioso o feiticeiro destruiu o arco-íris, deixando-o em pedaçinhos, jogou-o no lago e desapareceu na montanha de Latemar. O arco-íris teria derretido deixando suas cores espalhadas nas águas do lago.

Coordenadas - 46°24′33″N 11°34′30″E


sábado, 6 de março de 2010

Vitral

Os vitrais são elementos arquitectónicos constituídos por pedaços de vidro, geralmente coloridos, combinados para formar desenhos.

O vitral originou-se no Oriente por volta do século X, tendo florescido na Europa durante a Idade Média. Amplamente utilizados na ornamentação de igrejas e catedrais, o efeito da luz solar que por eles penetrava, conferia uma maior imponência e espiritualidade ao ambiente, efeito reforçado pelas imagens retratadas, em sua maioria cenas religiosas.

Adicionalmente, serviam como recurso didáctico para a instrução do catolicismo a uma população inculta e analfabeta.

segunda-feira, 1 de março de 2010

Aliança - Simbolo do Amor

Não é demais saber que, a aliança, surgiu entre os gregos e os romanos, provavelmente vindo de um costume hindu de usar um anel para simbolizar o casamento. Os romanos acreditavam que no quarto dedo da mão esquerda passava uma veia (veia d'amore) que estava diretamente ligada ao coração, costume carregado culturalmente até os dias de hoje.

No início a aliança era tida como um certificado de propriedade da noiva, ou de compra da noiva, indicando que a mesma não estava mais apta a outros pretendentes. A partir do século IX a igreja cristã adotou a aliança como um símbolo de união e fidelidade entre casais cristãos. Muitas crenças nasceram então, como exemplo o fato de que os escoceses dizem que a mulher que perde a aliança está condenada a perder o marido.

Os anéis podem ser reproduzidos com a fusão de material metálico, geralmente precioso como ouro e prata, podendo fundi-los numa mesma peça, e podem ser compostos por diferentes materiais como pedras preciosas ou semelhantes.

sábado, 20 de fevereiro de 2010

Será que chove?

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

Mosteiro da Batalha

O Mosteiro de Santa Maria da Vitória (mais conhecido como Mosteiro da Batalha) situa-se na Batalha, Portugal, e foi mandado edificar por D. João I como agradecimento à Virgem Maria pela vitória na Batalha de Aljubarrota. Este mosteiro dominicano foi construido ao longo de dois séculos, desde o início em 1386 até cerca de 1517, ao longo do reinado de sete reis de Portugal, embora desde 1388 já ali vivessem os primeiros dominicanos. Exemplo da arquitectura gótica tardia portuguesa, ou estilo manuelino, é considerado património mundial pela UNESCO, e em 7 de Julho de 2007 foi eleito como uma das sete maravilhas de Portugal.

Em Portugal, o IPPAR ainda classifica-o como Monumento Nacional, desde 1910.

Coordenadas GPS:
Latitude - 39°39'31.41"N
Longitude - 8°49'34.91"W

domingo, 10 de janeiro de 2010

Cruz Alta - Santuário de Fátima

A nova Cruz Alta do Santuário de Fátima foi erguida a 29 de Agosto 2007, dia em que a Igreja celebra o martírio de São João Baptista, o Precursor de Jesus Cristo.

A obra "Cruz Alta", no adro da Igreja da Santíssima Trindade, é da autoria do artista Robert Schad, da Alemanha, cuja proposta foi seleccionada no âmbito do concurso levado a cabo para a iconografia da Igreja da Santíssima Trindade.

É feita em aço corten, tem 34 metros de altura e 17 metros de largura, ao nível dos braços. Devido às grandes dimensões, a cruz chegou em peças separadas.

Está assim substituída a antiga Cruz Alta, erguida no Santuário para marcar o encerramento do Ano Santo, a 13 de Outubro de 1951, e frequente ponto de encontro de muitos peregrinos.

Recorde-se que a Cruz Alta anterior, depois de restaurada, foi oferecida ao Santuário de Cristo Rei, em Almada. A inauguração do monumento da Cruz Alta em Cristo Rei ocorreu a 17 de Maio 2007.

Coordenadas GPS:
Latitude - 39°37'47.15"N
Longitude - 8°40'28.36"W

quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

Ilhas Cies


Situadas à entrada da Ria de Vigo, na Galiza em Espanha, as Ilhas Cies formam um arquipélago. Em 1980 foram declaradas parque natural e formam parte do Parque Nacional Maritimo - Terrestre das Ilhas Atlânticas, criado em 2002.

Há três ilhas principais: Monteagudo ou Ilha Norde, Ilha Do Faro ou do Médio e a Ilha de São Martinho ou Sul.

Diz a história que segundo escavações arqueológicas, os homens moram nas ilhas desde 3500 a.c. Na Idade Média monges de distintas ordens viveram ali.

Coordenadas GPS:
Latitude - 42°13'17.50"N
Longitude - 8°54'13.18"W